• Instagram
  • YouTube

clipping

Samuca e a selva

Boogie Pélvico Neotropical

Samuca e a Selva é uma banda formada em 2015, em São Paulo, pela união do carismático e enérgico cantor e compositor Samuel Samuca, acompanhado de nove músicos de projetos de sucesso na cena da música contemporânea paulistana, como Nômade Orquestra e Orquestra Brasileira de Música Jamaicana.

Na diversidade musical da Selva, música regional brasileira, jazz e ritmos latinos explodem em apresentações vigorosas e surpreendentes.

Com lançamento previsto para agosto de 2022, “Ditados Populares Dançantes” é o terceiro álbum de estúdio de Samuca e a Selva. O disco vem com a sonoridade dançante e multicultural que marca a trajetória do coletivo. "Ditados Populares Dançantes" é um projeto original, que inova ao colocar o público como protagonista do processo de composição: as canções foram compostas a partir de temas e palavras enviadas pelos fãs da banda nas redes sociais. O novo trabalho apresenta dez canções inéditas, quatro compostas durante a pandemia e outras seis durante a imersão de 10 dias na zona rural de São Roque, no interior paulista.

Em 2021, Samuca e a Selva lançaram o clipe do single “Coragem”,  o EP de remixes “TERRA” (2021), totalmente produzido por mulheres, e fecharam o ano com o potente single “Jussara”, que ganhou um curta-metragem musical dirigido por Carina Mazarotto e Ricardo Sant’Anna, da Fuelture. Nele, a protagonista Jussara representa a força e a liberdade da mulher brasileira, num resgate do clima alto astral dos bailes antigos e com a participação de Nelson Triunfo.

 

Em 2020, a banda lançou a faixa especial para agitar o Carnaval "Passeando em Mim".

O disco de estreia, “Madurar” (2016, YbMusic), rendeu uma indicação para o 28º Prêmio da Música Brasileira como melhor grupo na categoria canção popular.

 

O segundo álbum, “Tudo que Move É Sagrado” (2018, YbMusic) homenageou os 70 anos de Ronaldo Bastos e, com participações de Criolo, Luedji Luna, Liniker, Siba e Filipe Catto, figurou entre os melhores álbuns de 2018 do Prêmio APCA.